Estudo sobre a importância de boards eficazes

A Odgers Berndtson Board Solutions, empresa do Grupo Odgers Berndtson Portugal na área de boards e corporate governance, acaba de lançar os resultados do seu mais recente estudo, «The Importance of Effective Boards», que teve como base a auscultação de 117 chairschief executive officers (CEOs) e administradores nacionais, de 12 sectores de atividade, permitindo assim avaliar a eficácia dos conselhos de administração em Portugal, tendo em conta as perspetivas dos administradores executivos e não-executivos.

Após reunir informação junto de algumas das maiores empresas a operar em Portugal, nomeadamente empresas cotadas no PSI, o Board Effectiveness permitiu concluir:

– A eficácia dos conselhos de administração é um tema importante e está a tornar-se ainda mais relevante, tendo em conta os desafios futuros que se colocam. 82% dos inquiridos afirmam que o papel dos boards vai ser cada vez maior no futuro, dados os desafios estratégicos das suas organizações. No entanto, apenas19% dos conselhos de administração estão a funcionar com elevados níveis de eficácia.

– A eficácia dos conselhos de administração está diretamente ligada ao desempenho organizacional, com as organizações de elevado desempenho a registaram uma eficácia 41% superior à das organizações abaixo da média.

– Existe um consenso sobre o papel e propósito do Conselho de Administração. No entanto, a maioria das empresas não tem processos formais que suportem essas aspirações.

Os conselhos de administração estão a investir cada vez mais em tópicos relacionados com as pessoas (avaliação, pesquisa, governance); no entanto, 51% ainda não têm processos de avaliação formais.

– Não existe uma solução única para a eficácia do Conselho de Administração: existem exemplos de boas práticas em vários sectores, dimensões e estruturas de empresas.

Nuno Fernandes, managing partner da Odgers Berndtson Board Solutions, refere: «Este estudo apresenta um retrato revelador da eficácia dos conselhos de administração em Portugal. Embora apenas 19% dos boards estejam a operar no auge da sua eficácia, há uma notável prontidão percebida para enfrentar os desafios futuros. A correlação direta entre a eficácia dos conselhos de administração e o desempenho organizacional destaca a importância crítica de uma liderança sólida. A nossa mensagem é clara: aprimorar a eficácia dos conselhos de administração é uma jornada vital para enfrentar os desafios estratégicos de futuro das organizações. À medida que os boards se preparam para o futuro, a constante procura por melhores práticas e a implementação de processos formais serão essenciais para uma governança sólida e adaptável.»

.

Os temas mais relevantes

O estudo alerta ainda que negligenciar tópicos na agenda estratégica representa riscos substanciais, com apenas 23,9% dos conselhos de administração a considerarem-se totalmente preparados.

Embora os conselhos de administração revelem ter uma visão clara sobre o futuro e promovam continuamente a inovação, novos desafios estão a emergir na sua agenda. No top três estão a sustentabilidade, a digitalização e a transformação cultural.

.

Áreas prioritárias de melhoria

O estudo destaca que, embora os conselhos de administração expressem satisfação geral com a sua eficácia média de 71/100, há áreas que exigem maior atenção para o futuro, nomeadamente ao nível dos temas relacionados com a dimensão «Pessoas e Competências», mais especificamente: profissionalização do recrutamento dos melhores administradores, gestão da sucessão, promoção da diversidade e adequação dos modelos de compensação.

.

Alcançar valor a longo prazo com um propósito redefinido

Sabendo os desafios que são esperados e que já foram identificados, o ano de 2024 traz consigo uma necessidade de equilibrar e desenvolver conselhos de administração com foco naquilo que já fazem de bem, mas também olhando para o futuro e para o que será necessário amanhã:

– 82% dos participantes acreditam que os conselhos de administração serão mais relevantes do que atualmente para o sucesso das organizações, o que significa que a sua eficácia é um tema que deve ser objeto de uma análise mais cuidadosa, envolvendo a necessidade de um trabalho profissional e independente;

– os conselhos de administração precisam de processos formais – avaliação, pesquisa, compensação – numa base regular, uma vez que apenas 32% possuem sistemas de monitorização e controlo que asseguram a consistência dos resultados;

– é necessário capital para o crescimento e um bom governance é fundamental para os investidores externos.

Nuno Fernandes refere ainda: «Este estudo ressalva que, à medida que os desafios do futuro se aproximam no horizonte corporativo, aprimorar a eficácia dos conselhos de administração torna-se uma prioridade inegável. A procura pela excelência governativa, impulsionada por práticas adaptáveis e processos formais, é a chave para não apenas enfrentar, mas prosperar diante das complexidades que se apresentam. Em última análise, a capacidade dos conselhos de evoluir reflete-se diretamente na resiliência e no sucesso duradouro das organizações.»

.

Mais informações sobre o estudo aqui.