Márcia Miranda/ Rita Ramalho
Conhecer o projeto «Conscious Lifestyle»

Márcia Miranda (à esquerda na foto, MM) e Rita Ramalho (à direita, RR) são as criadoras do projeto «Conscious Lifestyle», que nos apresentam nesta entrevista. Tudo tem a ver com a relação entre a saúde mental e a performance na vida profissional, ajudando não só as pessoas mas também as empresas.

Texto: Redação «human»

.

Qual foi o ponto de partida para o projeto?

[MM] Este projeto nasce a partir da paixão que nutrimos pela saúde e pelas ciências aplicadas à biologia humana. Cada uma na sua área de especialização, eu como bioquímica nutricional e naturopata e a Rita como fisiologista clínica e desportiva e health coach. Juntas formámos um programa em que unimos as nossas valências ao serviço de quem está interessado em transformar a sua vida, tornando-se mais saudável, recuperando os níveis de energia e vitalidade e aumentando os índices de confiança e segurança.

No último ano, a maioria das pessoas procura-nos para recuperação de peso, recuperação da forma física e mental, sendo este último fator predominante.

O teletrabalho colocou a maioria das pessoas a trabalhar mais horas, isoladas e afastadas. Acrescentando as incertezas relativamente ao futuro, começaram a surgir os medos, a ansiedade e a depressão. Tudo isto remeteu-nos para uma reflexão sobre a relação entre a saúde mental e a performance na vida profissional e de que forma nós poderíamos ajudar não só a pessoas mas também as empresas, intervindo no coletivo.

Como é que foi desenhado o projeto e como tem sido a sua implementação?

[MM] Este projeto foi desenhado para que haja um acompanhamento de proximidade, onde todos se sintam incluídos, para que cada passo seja dado com solidez e sobretudo com conhecimento de causa. A mudança duradoura para um estilo de vida saudável e consciente acontece mais facilmente quando a pessoa entende o porquê e quando sente que essa mudança é benéfica e necessária para si individualmente, bem como para o grupo onde se insere. Deste modo, a implementação acontece em várias etapas. Em cada etapa existem workshops teóricos e práticos, onde nós partilhamos e transmitimos o nosso conhecimento, os desafios, as autoavaliações e as experiências.

Como veem a questão da saúde mental nas empresas e de algum destaque que tem vindo a ter nos últimos tempos, quando comparada com a da saúde estritamente em termos físicos?

[RR] É muito interessante ver a saúde mental com grande destaque, principalmente no mundo corporativo. Significa que os empreendedores e as chefias estão cada vez mais despertos e conscientes que o ser humano funciona integralmente. Não somos máquinas nem robots, se não estivermos bem emocionalmente a nossa mente vai refletir esse desequilíbrio, traduzindo-se numa quebra da produtividade e da criatividade que claramente se manifesta através do absentismo e do presentismo laboral. A saúde física e a saúde mental devem andar de mãos dadas, e um ambiente corporativo mais inclusivo, interativo e prestado ao cuidado da saúde física e mental dos colaboradores é sem dúvida uma aposta no crescimento sustentável de uma organização e das suas pessoas.

Parece-vos que todas as transformações decorrentes da pandemia aceleraram este processo?

[MM] Sim. Muitas pessoas estão há mais de um ano em teletrabalho, isoladas. Sendo que a maioria está a trabalhar mais horas e com um longo período de confinamento que acarretou para muitas um stresse acrescido, uma vez que os contextos familiar e laboral permaneceram no mesmo espaço e com multitarefas (acompanhar filhos na escola, mantê-los ocupados em casa).

Com a pandemia, todos somos obrigados a viver a incerteza relativamente ao futuro e sem poder apontar culpados, e este facto para muitos foi um gatilho que fez despertar com grande força o desequilíbrio da sua saúde mental que já há muito persistia. As empresas ficaram mais sensibilizadas ao aperceberem-se do impacto no desempenho profissional dos seus colaboradores.

Acham que entrando a fundo neste tema nas empresas poderemos ter grandes surpresas em termos de resultados?

[RR] Sem dúvida que sim. Quanto mais integradas e equilibradas as pessoas se sentirem, melhor será o seu desempenho pessoal e profissional. Não podemos separar o ser humano por peças ou partes, estaríamos a desintegrá-lo. Sendo as empresas criadas e mantidas a partir da criatividade, da estratégia e da execução da mente humana, os melhores resultados aparecem em ambientes empresariais que percebem esta dinâmica e proporcionam aos seus colaboradores um ambiente propício ao crescimento, ao desenvolvimento e ao equilíbrio da saúde mental, juntamente com a saúde física e emocional.

Que soluções são propostas neste projeto e que benefícios podem vir a ter as empresas?

[MM] O projeto assenta em três pilares fundamentais que proporcionam ao grupo de indivíduos um aumento do equilíbrio entre o bem-estar físico e psicológico.

Os pilares do projeto são constituídos pelas seguintes áreas: Nutrição Consciente; Treino Funcional; Inteligência e Gestão emocional

A proposta neste projeto passa inicialmente pelo diagnóstico do perfil individual de cada participante e o perfil do grupo empresarial, de forma a preparar a melhor abordagem para a transformação de cada um e a sua integração no grupo. O projeto tem a duração de três meses, sendo que a cada 15 dias reunimo-nos com toda a equipa para transmitir conhecimento com base científica sobre cada um dos pilares do projeto, elaborar o plano alimentar, o plano de treino e lançar novos desafios. Ao longo deste tempo, cada etapa terá os seus desafios, propondo a cada um uma nítida mudança/ evolução a nível físico, mental e emocional.

Os benefícios que têm sido apontados pelas empresas passam não só pelo aumento da produtividade e dos índices de confiança mas também pela melhoria dos relacionamentos interpessoais na organização.

A aposta é sobretudo nos colaboradores?

[RR] Trata-se de uma aposta que incide particularmente nos colaboradores, mas que gera resultados individuais e coletivos.

Um dos benefícios espelha-se no equilíbrio entre a vida pessoal e a vida profissional, passando pelo aumento da energia, da saúde e da vitalidade, e que naturalmente se traduz num aumento da motivação, do foco e da produtividade, reduzindo o absentismo e o presentismo laboral. Ambas as partes beneficiam dos resultados.

Que níveis de intervenção podem ser assegurados?

[RR] O programa assegura intervenção a nível da saúde física e mental individual dos colaboradores e, consequentemente, um aumento exponencial de produtividade e dos resultados coletivos na atividade da empresa. Trabalhamos a individualidade, com vista a melhorar a saúde coletiva empresarial. Assim, asseguramos uma melhoria de resultados coletivos no ambiente corporativo das empresas em que atuamos.

Como comentam a visão, seja no mundo corporativo, seja num espaço mais amplo da sociedade, do equilíbrio entre vida profissional e vida pessoal?

[MM] Tanto o mundo corporativo como a sociedade em geral têm tendência a exigir demasiado do indivíduo em termos profissionais, obrigando-o a deixar para trás a sua vida pessoal e familiar. O programa «Conscious Lifestyle» pretende demonstrar que o equilíbrio parte de dentro de nós e quanto mais conscientes e saudáveis forem as nossas escolhas no dia-a-dia, mais facilmente conseguimos estabelecer um relacionamento equilibrado e saudável entre ambas .É importante ouvirmos o nosso corpo; o cansaço, as insónias, o stresse, toda a sintomatologia, são sinais de alerta, dizendo que é preciso  abrandar ou mesmo parar, para olhar e refletir sobre as escolhas que fazemos e os limites que estamos a transpor, antes que algo maior se manifeste, como uma doença mental e/ ou física (doença cardiovascular, depressão, burnout, entre tantas).

O sucesso está em aprender a viver esse equilíbrio. No programa «Conscious Lifestyle» ajudamos os indivíduos a viver em equilíbrio constante e, consequentemente, a melhorar significativamente os seus resultados em todos as áreas da sua vida.

Poderemos esperar muitas mudanças positivas na generalidade das empresas em relação à forma como são tratadas as pessoas?

[RR] Muitas mudanças positivas têm ocorrido nas empresas nestes últimos tempos. Notamos que a mentalidade tem mudado e que cada vez mais há um reconhecimento do impacto da saúde humana (mental, emocional e física) nos resultados individuais e coletivos. Por outro lado, a sociedade está também cada vez mais atenta e exigente relativamente à forma como as pessoas são tratadas nas empresas, o que acaba por se tornar num fator diferenciador em muitas áreas de negócio.

Gostamos de acreditar que este rumo de um estilo de liderança consciente na área corporativa está em expansão.

Que desafio vos traz um projeto como este?

[MM] O desafio maior é sempre o da resistência à mudança. Por norma, o ser humano não gosta de mudar, pois a mudança pressupõe sempre a morte de algo e com ela o medo, para que se possa dar lugar ao novo. Nem sempre as pessoas estão preparadas para tal. O nosso papel é demonstrar que a mudança é necessária para que se obtenha melhores resultados e orientar e acompanhar todos para que a mudança aconteça de forma duradoura.

O nosso projeto tem como missão proporcionar mais saúde, energia, vitalidade e sobretudo maior qualidade de vida na longevidade, até porque a tendência é começar a trabalhar mais tarde e prolongar cada vez mais a idade da reforma. Embora exista um aumento da esperança média de vida, este não é acompanhado por um aumento da qualidade de vida. Segundo a Organização Mundial de Saúde, existe uma estimativa de 50% de crescimento do índice de doenças crónicas até 2030, e isso só pode ser revertido através da mudança de estilo de vida, com um amplo ganho para a saúde das pessoas assim como para o sector empresarial e a sociedade em geral.

.

»»»» Márcia Miranda, formada em Bioquímica e especializada em Naturopatia e Nutrição Celular Ativa, é consultora em bioquímica nutricional. Rita Ramalho, formada em Treino de Alto Rendimento Desportivo, é coach de saúde e wellness. São as criadoras do projeto «Conscious Lifestyle».