Colaboradores escolhem horários e locais de trabalho

A tecnológica Decode está a implementar uma estratégia de descentralização de trabalho, em que os seus colaboradores poderão escolher não só de onde querem trabalhar, como também os seus horários. Esta opção está a entrar em vigor no primeiro semestre de 2022 e será implementada gradualmente de forma a ser avaliada a sua eficácia. A flexibilidade de trabalho está integrada na estratégia de work-life integration que a empresa propõe: o objetivo é que os colaboradores possam cada vez mais harmonizar a vida pessoal com a vida profissional.

«Queremos que os nossos colaboradores se sintam realizados e sabemos que, como tal, devem ter um estilo de vida que possibilite a conjugação fluída entre as prioridades da vida profissional e pessoal», afirma João Reis Fernandes (na foto), diretor executivo da Decode, para logo acrescentar: «Os horários e locais de trabalho devem ser flexíveis. Os nossos profissionais devem trabalhar nos períodos que lhes forem mais convenientes, o que lhes garante disponibilidade para lidarem com situações de foro pessoal durante o dia. Esta flexibilidade terá que ser, no entanto, convergente com as necessidades dos nossos clientes.»

A Decode já tem em vigor um modelo de trabalho em regime flexível e descentralizado, com o colaborador a ter a opção de estar nos escritórios, em Lisboa – onde se pratica o modelo de hot seat and clean desk –, no espaço do cliente (se este o desejar) ou em fully remote. Os escritórios continuam abertos aos colaboradores por serem espaços que promovem não apenas a colaboração e a aprendizagem em equipa, como também os convívios e as interações sociais.

A empresa já está a avançar com iniciativas de liberdade de escolha e de responsabilidade que se matizam numa cultura de avaliação de produtividade, em que não existem horários fixos. «As empresas devem preocupar-se menos em garantir se os seus colaboradores trabalham o número de horas comumente definidas das 9H00 às 18H00, até porque, se assim for, o seu rendimento pode estar longe daquele que seria esperado», afirma João Reis Fernandes. «A liberdade de escolha irá garantir uma maior produtividade nas tarefas diárias por dois motivos: os profissionais conhecem melhor do que ninguém as suas dinâmicas e sabem quando é mais vantajoso trabalhar, e depois porque se sentem motivados com a confiança depositada em si pela empresa.»

.


Trabalhar a partir do mote work-life integration

Duas das premissas-base da Decode passam por garantir aos colaboradores um bem-estar e a felicidade associados ao trabalho e combater o estigma que o ecossistema corporativo tem que ser rígido e pouco descontraído. Como tal, a empresa está a apostar numa integração entre o campo profissional e o campo pessoal dos elementos das suas equipas.

«As ligações sociais são fundamentais para uma harmonização nos ambientes profissionais e, como tal, investimos tempo na criação de vínculos sobre temas não diretamente ligados ao trabalho, como desporto, séries ou viagens», afirma João Reis Fernandes. «As interações sociais promovem o sentido de pertença, ao originar conexões entre colegas, deixando-os confortáveis com as pessoas com quem trabalham.»

Para aprofundar esta sinergia entre a cultura individual e a cultura da empresa, a Decode criou bubbles – espaços digitais de partilha sobre diferentes pontos de interesse relacionados com hobbies. Os colaboradores podem escolher aquelas com as quais mais se identificam e, a partir daí, partilhar experiências sobre os temas em questão ou até organizar iniciativas em conjunto. A estratégia passa pela aproximação de pessoas com interesses comuns, o que irá ajudar a fortalecer laços e a promover um conhecimento mais aprofundado sobre como é cada um dos elementos da equipa.

Em contínuo, a tecnológica irá manter iniciativas internas como as CEO Talks – Ask me Anything, em conversas descontraídas com o diretor executivo, e os Meet the Team, em que os colaboradores se apresentam aos colegas. O objetivo passa pela promoção da transparência, do conhecimento e da confiança dos colaboradores naqueles que são os alicerces da empresa.

«Mais do que o balanço entre a vida pessoal e a vida profissional, acreditamos que a integração entre estes dois espectros é a fórmula ideal por trazer uma perspetiva mais otimista à forma como encaramos os nossos empregos», conclui o diretor executivo da Decode. «O work-life integration pretende que os colaboradores não sintam o trabalho como uma obrigação, mas como uma atividade que os motive, com pessoas com as quais se identifiquem e em ambientes confortáveis, seja numa mesa de escritório ou na esplanada de uma praia.»

.

A empresa

A Decode é uma empresa de inovação e tecnologia que tem uma oferta especializada em software development (web e mobile), data strategy (business intelligence e big data analytics) e digital experiences (UX Lab e design solutions). Promove uma forma descentralizada e flexível de trabalhar, o work-life integration e o desenvolvimento pessoal e profissional. É uma marca do grupo internacional MoOngy, que tem mais de 5.600 colaboradores em 10 países europeus a desenvolver a inovação de negócios e empresas de ação global.